28.3.09

Sobrevida II

Às vezes
o dia não rende
nada se resolve
nada acontece
nada brilha
todas as coisas ganham o formato de fila no banco
compras no mercado, números a somar e subtrair
E de repente
quando tudo parece perdido
quando você já está acreditando
que dessa semente não sai fruta
que a poeira nunca mais deixaria os móveis
que o piloto estava para sempre no modo automático
Algo se rompe
algo se quebra
algo arrebenta
algo explode
de uma forma que
por mais que doa um pouco ou muito
você logo reconhece
que é necessário
romper
quebrar
arrebentar
explodir
para isso:
uma frase ou duas
apenas isso:
uma frase
que renda
que resolva
que aconteça
que brilhe mais
do que o dia


*
*
*

7 comentários:

Eduardo Bakr disse...

Bateu saudade.
Te visitei.
O dia brilhou.
Parabéns, suas letras reluzem. Beijo, Eduardo Bakr.

Enzo Potel disse...

Olá, Cláudia!
Tudo bom?!
Espero que sim. Espero que leia este comentário também.
Não é nada demais, é só para dizer que você é a melhor coisa do Rascunho. Eu nunca li textos e ensaios com tanta intimidade com os grandes escritores, os mesmos escritores que eu amo, e você tem influenciado em muito minhas leituras: perdi minha antipatia por Lispector e estou entrando de cabeça em K. Mansfield.
Muito obrigado!
se puder, responda qualquer coisinha aqui no

enzopotel@yahoo.com.br

agradicido

Anônimo disse...

Ahhh que bom que voltou a postar!!!
Acompanho sempre o blog,
grande descoberta...

Carol

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

dias assim, são dias de re-vida

Isadora M. disse...

esse poema ficaria perfeito na boca da calcanhotto.

leve e resteiro. gostei.

besos.

Angela Motta disse...

Só hj a descobri, através de uma entrevista na tv. Foram poucos minutos ... eu sapiava com o controle na mão até que parei diante de uns olhos emocionados, uma voz embargada dizendo da emoção de se separar de Eufrásia e Nabuco, depois de uma convivência de 6 anos.... Seu livro lançado, e como boa mãe que se tornou, vc vê seu filho sair debaixo de suas asas e ganhar o mundo ... seus olhos e suas palavras deixaram transparecer esta emoção maternal ... parabéns! Tornei-me sua fã.

Angela Motta

Flávia Muniz disse...

Acho que esses dias inauguram renascimentos.

Vi sua entrevista com o Edney Silvestre. Fiquei fascinda com a sua fala e bem curiosa com o livro.

Cheguei através da desenredos.

abraço,
Flávia